Feeds:
Artigos
Comentários

Archive for the ‘graça’ Category

Trabalho de Ian Potts

Novembro 17, 2007

 

No último capítulo da carta para Romanos Paulo conclui o seu epistolo com comprimentos para os irmãos e irmãs que se juntam na igreja em Roma. Paulo reafirma assim a sua completa confiança na mensagem do Evangelho entregue aos santos.

 

Tendo-se dirigido aos santos no capítulo 1 louvando a união que têm no Senhor Jesus Cristo no qual foram chamados através do Evangelho. Juntamente com este louvor Paulo agradece a Deus pela fé que os crentes demonstram e da qual é falada por toda a parte “Primeiramente dou graças ao meu Deus por Jesus Cristo, acerca de vós todos, porque em todo o mundo é anunciada a vossa fé.” (Romanos 1:8). Da mesma forma no encerrar do seu epistolo ele louva as condutas diárias dos crentes, as obras que demonstram pelo amor que têm para com Cristo. Nesta igreja se demonstra um povo unido no amor de Cristo extraído de ambas partes, uma de judeus e a outra de gentios. Não se apresenta qualquer ambiguidade por parte dos crentes. Note que nacionalidades, raças, culturas ou interesses humanos não fazem parte desta união mas sim uma união em Cristo. Eles se apresentam unidos em Cristo pelo Evangelho – que outrora haviam sido escolhidos por Deus em eternidade por uma eleição eterna efectuada por Deus Pai e Deus Filho, eterna aliança. Esses crentes que foram redimidos pelo sangue derramado do Filho de Deus na cruz, agora acordados pelo Espírito de Deus para uma vida espiritual para que vivam e andem pela fé.

 

Apesar desta imensa verdade Paulo no verso 17 avisa os irmãos sobre todos aqueles que causam divisões na igreja pelas suas oposições a mensagem anunciada. A conservação e o bom estado da união da igreja repousa nos seguintes factores – uma fiel pregação e aderência ao Evangelho, aquela mensagem declarada desde o princípio e expandida em todos os epistoles. A origem de divisões consiste na partida desta mesma mensagem.

 

União não consiste em credos e confissões. Não se consiste em denominações ou em ordens de igrejas e muito menos em autoridade humana seja esta de Papas em Roma ou outra qualquer. Teologia humana com as suas tradições ou organizações muito espiritual que estas sejam ou se pareçam não são nada mais que simples vaidade. A unidade não se consiste nem é mantida por nenhuma destas coisas mas sim em Cristo e no Seu Evangelho da forma que é revelada pelo Espírito de Deus e tudo que se separa desta verdade cai em corrupção. Não é Deus o autor da vida pois Deus é vida e Nele não existe morte. “O que vimos e ouvimos, isso vos anunciamos, para que também tenhais comunhão conosco; e a nossa comunhão é com o Pai, e com seu Filho Jesus Cristo. E esta é a mensagem que dele ouvimos, e vos anunciamos: que Deus é luz, e não há nele trevas nenhumas. Se dissermos que temos comunhão com ele, e andarmos em trevas, mentimos, e não praticamos a verdade.” Deus é luz e nele não existe trevas nenhumas mas em contrapartida tudo que origina da vontade do homem carnal é trevas especialmente aqueles que trazem doutrinas contrárias aos dos apóstolos causando divisões e ofensas. Pois por bom palavreado eles enganam os corações de muitos. Note e tome conta do que ouve. Como é vital esta mensagem e como é seria a advertência dos apóstolos para tudo que seja contrário da doutrina por eles expandida, note a advertência de Paulo aos crentes em Roma “E rogo-vos, irmãos, que noteis os que promovem dissensões e escândalos contra a doutrina que aprendestes; desviai-vos deles.” Romanos 16:17.

 

Como devemos nós de receber a mensagem do Evangelho? Será que a devemos de a receber ligeiramente, superficialmente? A mensagem do Evangelho não deve de ser recebida como uma outra mensagem qualquer esta mensagem não pode ser comprometida.

 

Mas nós agradecemos Deus que o mesmo Evangelho que por Paulo foi declarado em Roma ainda se faz soar nos dias de hoje. Este Evangelho permanece fiel pois se não fosse não se poderia dizer que é o Evangelho eterno de Deus. É a mensagem daquela mesma fé que foi outrora entregue aos santos. Esta mensagem não muda com o tempo, é eterna. Não se pode adicionar nem subtrair e nem esta sujeita a opiniões ou objecções de homens, não se encontra sujeita a mudança das modas deste mundo ou as diferenças de culturas e pessoas. Se mantém certo e correcto. É a fé que antes foi entregue.

 

Esta é a mensagem que devemos de ouvir nos dias de hoje. A mesma mensagem que foi anunciada desde o principio e que se encontra gravada nas escrituras. 

 

É esta a mensagem que ouviu? É esta a fé que confessa? A fé que outrora foi entregue aos santos? Será que Deus lhe revelou este mistério?

 

Pois estas verdades têm de ser reveladas pelo Espírito de Deus e enquanto não for tudo permanecerá um mistério. Pois através da vinda de Cristo e as escrituras do N.T aquelas coisas se encontravam escondidas como segredo e mistérios foram revelados, coisas que só se encontravam vistas como figuras e tipos e profecias agora reveladas em Cristo, da mesma forma agora nos dias de hoje até que Deus abra os olhos do homem para que se possa ver. E se Deus não o fizer tudo permanecera um mistério. Até que o Espírito de Deus tome as palavras das escrituras e as assopre nos corações, até que Deus proclame o Evangelho a nós em poder a verdade permanecerá nada mais que palavras gravadas numa pagina. Um mistério escondido aos olhos dos homens. Nós podemos ler a Bíblia, podemos devorar inúmeros livros podemos até ouvir um pastor mas tudo permanece longe das nossa compreensões tudo é confuso e nada mais do que simples informação. Não interessa o quanto é inteligente ou quanto é sábio tudo permanecerá um mistério escondido mesmo debaixo dos nossos olhos até que Deus pela Sua misericórdia se agrade em nos ensinar a nos rebaixar a Sua imensa gloria e majestade como de numa forma de criança e em humildade pois Jesus disse “Naquele tempo, respondendo Jesus, disse: Graças te dou, ó Pai, Senhor do céu e da terra, que ocultaste estas coisas aos sábios e entendidos, e as revelaste aos pequeninos.Mateus 11:25.  

 

Quando Deus nos revela a verdade como quem tira um trapo que previne o olhar, abrindo os olhos para podermos ver a verdade que se revela no Evangelho ai sim tudo fica claro. Depois tudo que se encontrava escondido e oculto por causa dos pecados da carne se torna visível, o que dantes era uma sobra escura pela graça de Deus se torna real como tudo é feito manifesto pela luz do sol após uma noite de escuridão. Tudo é revelado pela aquela luz divina – Cristo. O que dantes era um conhecimento da letra sobre as escrituras, um simples conhecimento sobre Cristo por Deus se torna num conhecimento de Cristo pela experiencia do Espírito.

 

Eu pergunto de novo, será que Deus já lhe revelou este mistério? Será que Deus já lhe revelou Cristo através do apregoar do Evangelho? Aquele ‘Evangelho que é o poder de Deus para a salvação?’ aquele “mistério que esteve oculto desde todos os séculos, e em todas as gerações, e que agora foi manifesto aos seus santos;” (Colossenses 1:26) que declara “as riquezas da glória deste mistério entre os gentios, que é Cristo em vós, esperança da glória;”(Colossenses 1:27). Pois “E, sem dúvida alguma, grande é o mistério da piedade: Deus se manifestou em carne, foi justificado no Espírito, visto dos anjos, pregado aos gentios, crido no mundo, recebido acima na glória.” Timóteo 3:16. Será que este Evangelho já lhe foi revelado?

 

Pois a salvação não descansa em nenhuma outra mensagem – porque Cristo o Salvador não é revelado em nenhuma outra mensagem. Qualquer que se seja a variação daquela fé que outrora foi entregue aos santos, muito menor que seja é o mesmo que partir da verdade e do poder da salvação. A nossa grande necessidade nos dias de hoje é voltar de novo para a verdade que outrora, no princípio foi entregue aos santos, em primeiro por profetas e depois por Cristo e depois pelos Seus apóstolos. Não para aqueles grandes dias do passado da igreja. Não para o grande acordar nem para os tempos da reformação em 1689, 1646, ou 1500 não para o tempo de Lloyd – Jones, Philpot, Spurgeon, Whitefield, Luther ou Calvin. Mas sim voltar ao princípio. Voltar de novo para o Evangelho da forma como se encontra gravado nas escrituras, da forma como foi revelado por Cristo e seus apóstolos. Voltar de novo para a fé que outrora foi entregue aos santos. Voltar para aquela fé que Paulo anunciou e expandiu nos seus epistoles para os romanos.

 

Será que Deus já lhe ensinou esta fé? O verdadeiro e único eterno Evangelho? A única verdadeira mensagem?

 

Já lhe foi revelado no coração no homem interior pelo Espírito através da palavra por aqueles que Deus enviou com a Sua mensagem? Mensagem e palavra que entrou no coração não de uma forma exterior mas sim entrando em poder no Espírito Santo e com muita segurança?

 

Que Deus se agrade em soar esta mensagem com o Seu poder nestes dias e nesta geração. A mensagem de Cristo a mensagem sobre a Sua salvação da Sua justificação em justiça através da fé e de uma eterna eleição. Mensagem sobre a justificação gratuita, salvação pela graça e não pelas obras da carne nem vontade do homem mas sim pela vontade do Senhor. Aquela salvação que é de Deus e não do homem que é de fé para fé – até mesmo a fé que outrora foi entregue aos santos.

 

Esta mensagem e não outra.

 

A fé de Jesus Cristo.

 

Ora, àquele que é poderoso para vos confirmar segundo o meu evangelho e a pregação de Jesus Cristo, conforme a revelação do mistério que desde tempos eternos esteve oculto, Mas que se manifestou agora, e se notificou pelas Escrituras dos profetas, segundo o mandamento do Deus eterno, a todas as nações para obediência da fé;

 

Ao único Deus, sábio, seja dada glória por Jesus Cristo para todo o sempre. Amém.”

 

Romanos 16:25-27                                       

                                 

Amem

Anúncios

Read Full Post »

Trabalho de Ian Potts

14 De Abril 2008

 

Na carta de Paulo para os Romanos em capítulo 15, e após de ter concluído o capítulo 14 oferecendo ânimo aos irmãos para se servirem em amor e para se encorajarem, edificando-se uns aos outros, através do erguer do olhar da fé em direcção de Cristo tomando Cristo como exemplo. Paulo encoraja aquela união dos irmãos do amor que têm para Cristo e para os irmãos de forma que eles tenham uma só mente “Para que concordes, a uma boca, glorifiqueis ao Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo.” Rom. 15:6 

 

Note neste verso a forma como o Pai é glorificado, não é totalmente contrária á geral forma pela qual o homem a vê? Quando a mensagem de Deus sobre a salvação no Evangelho é vista e posta na perspectiva de Deus se torna evidente que o Evangelho não é tanto o que é recebido ou entregue ao homem pelo termo, salvação do povo de Deus. Mas sim o que é entregue a Deus e a Sua imensa gloria através da redenção realizada pelo Seu Filho em resgatar e redimir a Sua Noiva, a igreja que por sua vez a trás ao Pai para “que os gentios glorifiquem a Deus pela sua misericórdia, como está escrito: Portanto eu te louvarei entre os gentios, E cantarei ao teu nome.“que a igreja adore o Pai fazendo assim manifesto as maravilhas da Sua graça perante toda a criação tanto agora como em eternidade.      

 

Por este mesmo termo ou digamos, por este princípio o apostolo relembra a igreja que se encontrava em Roma a imensa e grandiosa misericórdia de Deus em enviar o Evangelho aos gentios. A esses gentios que outrora não haviam conhecido a verdade que agora pela misericórdia e graça de Deus a conhecem “como está escrito: Aqueles a quem não foi anunciado, o verão, E os que não ouviram o entenderão.” (Rom. 15:21). Paulo afirma que foi Deus que o enviou e a forma pela qual é enviado e para qual fim. Para que “seja ministro de Jesus Cristo para os gentios, ministrando o evangelho de Deus, para que seja agradável a oferta dos gentios, santificada pelo Espírito Santo.” (Rom. 15:16) e juntamente exprimindo o seu grande desejo em os visitar em Roma a fim de lhes anunciar o Evangelho pessoalmente e permanecer com eles por algum tempo refrescando-se na amizade e amor comum que existe em Cristo. Contudo em primeiro lugar Paulo teria de visitar os santos que se encontravam em Jerusalém (15:25) e fazendo isto ele relembra os leitores gentios da união que existe entre eles e os crentes judeus por toda a parte assim mostrando que os gentios em Roma devem da mesma forma mostrar amor para esses irmãos judeus tal como outros gentios haviam feito por terem recebido dos judeus bens espirituais.

 

 “Isto lhes pareceu bem, como devedores que são para com eles. Porque, se os gentios foram participantes dos seus bens espirituais, devem também ministrar-lhes os temporais.” (Rom. 15:27).

 

Mas acima de tudo o grande desejo de Paulo é apregoar o Evangelho. Lhes anunciar Cristo para lhes trazer “a plenitude da bênção do evangelho de Cristo.” (Rom. 15:29). Paulo foi enviado com uma mensagem e essa mensagem teria de ser entregue e essa mensagem, (a fé) foi o que “foi dada aos santos.” (Judas 1:3). A mensagem de Paulo, o Evangelho que anuncio não discorda nem varia do único pois só existe um Evangelho, o Evangelho eterno de Deus. A mensagem que Paulo anunciou em Roma foi a mesma mensagem que anunciou em Jerusalém. O mesmo Evangelho apregoado aos santos em Gálatas e em Efésios, a mesma mensagem a respeito da cruz de Cristo e Ele crucificado foi nessas igrejas entregue como também nas igrejas de Coríntios e Tessalonicenses. Paulo só tinha uma mensagem, um só Evangelho uma só fé da qual tinha sido entregue por Deus, através da revelação, pelo Seu Servo para a igreja. Tendo sido ensinado essa mensagem – a fé – Paulo foi enviado para a anunciar e o seu grande desejo era que os santos em Roma pudessem vir também a conhecer essa mensagem. Não em parte nem somente conhecida pelo intelecto humano mas sim em toda a sua grandeza, em toda a sua riqueza, de uma forma interior, tanto no coração como na mente para que eles fossem estabelecidos e construídos na verdade para que a “bênção do evangelho de Cristo” pudesse também ser deles e que Deus se glorifique neles. Esta era a vontade de Paulo e é esta toda a vontade que existe no coração de todos aqueles que por Deus são enviados para anunciar o Evangelho. Como aquele que é enviado por Deus para apregoar o Seu Evangelho como um servo de Jesus Cristo, Paulo não só tinha uma mensagem para entregar aos santos em Roma como também ele lhes escreveu e iria ter com eles pela forma de um que vive dessa mesma mensagem que pretendia entregar. Forma esta de um que anda na Verdade, como um que servia tanto o seu Mestre como o seu Senhor e os Seus irmãos para o bem de Cristo. Paulo era um servo e escravo de Jesus Cristo, “chamado para apóstolo, separado para o evangelho de Deus” do qual vivia a sua vida consagrada ao serviço de outros “ministrando o evangelho de Deus“. Paulo guiado por exemplo ministrava outros. O seu incitador para com os irmãos e para que eles se servissem uns aos outros nascia pela sua mesma conduta e forma de vida quando por sua vez os servia. Ele os exortava os crentes a seguir Cristo da mesma forma como ele seguia Cristo. Não só pela letra da palavra mas sim pelo amor que Deus faz nascer nos corações de todos os crentes. Deus é a fonte do Amor e da Vida se alguém têm falta de amor para que possa oferecer a outros, peça a Deus que lhe de amor, olhe para Cristo o maior exemplo de amor. Jesus Cristo amou todos aqueles que o Pai Lhe deu e Ele deu a Sua vida por eles quando ainda eles nem sabiam a quem pertenciam para que eles pudessem viver juntos com Deus no Seu Reino.

 

Agora consideremos a lição que nos é exposta por Paulo nas suas várias cartas para as diferentes igrejas e também na sua conduta diária em relação para com os seus irmãos. Pelo menos em três lugares o apóstolo exorta aqueles para qual escreveu para que o sigam e retenham em mente como exemplo a sua mesma conduta.

 

Admoesto-vos, portanto, a que sejais meus imitadores.” 1Córintios 4:16  

Sede meus imitadores, como também eu de Cristo.” 1Córintios 11:1  

Sede também meus imitadores, irmãos, e tende cuidado, segundo o exemplo que tendes em nós, pelos que assim andam.” Filipenses 3:17    

 

As exortações de Paulo não são sem fundação nem sem autoridade. Ele não os encoraja a o seguir cegamente como se lê um mapa ou que sigam o seu ensinamento simplesmente porque ele o diz. Não, de maneira nenhuma! As exortações de Paulo contêm peso por causa daquele que ele mesmo segue, Aquele que o enviou para anunciar o Evangelho – o Senhor Jesus Cristo. Paulo escreve “Sede meus imitadores, como também eu de Cristo.” 1Córintios 11:1.

 

Já alguma vez ouvimos alguém disser para não seguirmos homens? Normalmente se alguém nos adverte com tal frase é porque existe criticismo quando o ministro de um certo homem é condenado é pelo crítico ou grupo de pessoas. Não faças o que ele te disse para fazeres! Coisas deste género.  A dedução é que devemos de seguir Cristo invés de homens. Existe claramente uma certa verdade nisto (apesar do criticismo apresentar uma falsa dicotomia) em que o homem não deve de se elevar fora de medida sendo Cristo sempre preeminente em todas as coisas e por último que nós devemos ser seguidores de Cristo que é o Grande Pastore das Suas ovelhas. De Cristo que deu a Sua vida pelas ovelhas para que pudessem em Si ter vida eterna, o perdoar dos pecados e paz sendo por Cristo reconciliados para com o Pai. As escrituras advertem e muito correctamente o faz para “Deixai-vos do homem cujo fôlego está nas suas narinas; pois em que se deve ele estimar?Isaías 2:22. Os homens que por natureza são pecadores muitas vezes nos podem levar em caminhos tortos se lhes dermos ouvidos. Nós temos de ser espertos e conhecer intimamente aquilo que se refere Sabedoria para que possamos reconhecer a quem seguimos ou damos ouvidos. Muitas pessoas com falta de sabedoria (e esta que se obtêm em pedir que Deus nos a dê) foram levadas para destruição por certos homens em caminhos tortos e obscuros. Assim muitos que são guiados por cegos se tornam cegos e se um cego guia outro cego ambos cairão na valeta ou num outro lugar pior. Guiados por impostores quer o façam deliberadamente ou não o facto não deixa de ser verdadeiro e eles são impostores e cegos para a verdade que há em Cristo. Impostores que prometem muito mas dão pouco pode parecer bem aos ouvidos mas por ultimo eles falam deles mesmos e não de Deus. Excepto a graça de Deus penetre no coração de um homem e este seja levado pelo Espírito a ter fé para acreditar em Cristo e no Seu trabalho realizado na cruz ninguém será salvo. É por graça que sois salvo e não pela vossa vontade mas sim um dom de Deus. “Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus.Efésios 2:8. Se não fosse pela graça de Deus todos: note – todos os homens teriam em inimizade para com o Criador. Mesmo assim Paulo exorta os que o ouvem para serem seguidores dele da mesma forma como ele é seguidor de Cristo.

 

É no final da sentença de Paulo que nós podemos encontrar a resposta para o dever ou não dever de seguir o que os homens dizem e mesmo assim quais? Paulo era um seguidor de Cristo. A sua exortação não era simplesmente para o seguir mas sim seguir o concelho que ele dá – como ele mesmo seguia Cristo segui também vós Cristo. Paulo guiava os seus seguidores para Cristo e eis o porquê que o deveriam de o seguir. Em seguir Paulo eles seguiam Cristo. Foi Cristo que apareceu a Paulo ainda quando ele se chamava Saul, quando por sua vês Saul caminhava na rua que se dirigia para Damasco. Cristo revelou-se a Paulo lá do céu e o enviou para anunciar o Evangelho (leia Atos 26). Paulo foi enviado por Cristo para abrir os olhos dos pecadores, “Para lhes abrires os olhos, e das trevas os converteres à luz, e do poder de Satanás a Deus; a fim de que recebam a remissão de pecados, e herança entre os que são santificados pela fé em mim.” Atos 26:18.  É este enviar pela parte de Cristo para anunciar o Evangelho que a exortação de Paulo “Sede meus imitadores, como também eu de Cristo” guarda peso. Cristo enviou Paulo para o Seu povo para que Paulo guiasse esse povo a Cristo. Então deveriam eles de seguir Paulo que por sua vez os guia a Cristo que deu a Sua vida por eles?

 

Em 1 de Coríntios uma similar advertência encorajando o povo de Deus com a seguinte razão para o qual devem de ser imitadores de Paulo enquanto neste mundo. “Não escrevo estas coisas para vos envergonhar; mas admoesto-vos como meus filhos amados. Porque ainda que tivésseis dez mil aios em Cristo, não teríeis, contudo, muitos pais; porque eu pelo evangelho vos gerei em Jesus Cristo. Admoesto-vos, portanto, a que sejais meus imitadores. Por esta causa vos mandei Timóteo, que é meu filho amado, e fiel no Senhor, o qual vos lembrará os meus caminhos em Cristo, como por toda a parte ensino em cada igreja.” 1Coríntios 4:14-17.

 

Os crentes na igreja de coríntios para o qual Paulo escrevera tinham nascido de Deus Espirito Santo através do apregoar do Evangelho pelos lábios de Paulo. Eis o porquê de Paulo os chamar de “meus filhos amados“e escreve “porque eu pelo evangelho vos gerei em Jesus Cristo“. Tão próximo estava Paulo na sua relação com os crentes, mostrando-se não só envolvido com eles como também os guiava a Cristo. Tão instrumental na conversão desses crentes que Paulo se declara como pai e os crentes seus filhos pelo Evangelho. Apesar de saber que as conversões desses crentes havia ter-se realizado através do trabalho do Espírito Santo, apesar desta verdade e de saber que só Deus é Pai, de qualquer forma o propósito de Deus é usar o apregoar do Evangelho pelos lábios daqueles homens que envia para trazer pecadores mortos em pecados e ofensas para a vida em Cristo. Paulo foi enviado com o Evangelho para a igreja de Coríntios e tanto homens como mulheres foram salvos por esse Evangelho. Assim Paulo correctamente afirma que “eu pelo evangelho vos gerei em Jesus Cristo” ele os gerou eis que é razoável disser “como meus filhos amados“. Então não deverão eles seguir Paulo que fielmente os conduziu a Cristo? Este Paulo que fielmente lhes declarou Cristo no Evangelho que por essas palavras eles nasceram de novo não pela carne mas sim pelo poder da palavra de Deus. Eles podiam ter mil instrutores em Cristo mas não foi Paulo o pai deles que pelo seu apregoar do Evangelho de Deus os salvou e gerou em Cristo? Por Cristo, sim, pelo trabalho de regeneração do Espírito Santo também por ter acreditado no Evangelho pela fé que Deus lhe havia oferecido, claro. Mas de qualquer forma foi por ter acreditado naquele Evangelho que lhes tinha sido entregue por aquele homem que Deus enviou, aquele Evangelho o único Evangelho de Deus apregoado pelos lábios de Paulo. Deus os gerou através do apregoar de Paulo e este do Evangelho de Cristo. Se assim é não deveriam eles de seguir este homem que foi enviado por Deus para os trazer a Cristo que o enviou? “Admoesto-vos, portanto, a que sejais meus imitadores” diz Paulo.

 

Como se não houvesse razoes mais que suficientes que Paulo era um seguidor de Cristo e que o seu apregoar do Evangelho de Cristo causou os ouvintes a serem nascidos de novo. Assim Paulo enviou aos Coríntios seu amado filho Timóteo “Por esta causa vos mandei Timóteo, que é meu filho amado, e fiel no Senhor, o qual vos lembrará os meus caminhos em Cristo, como por toda a parte ensino em cada igreja.”. Pelo ensinamento e conduta de Paulo pode-se confirmar que ele era um fiel seguidor de Cristo, um que o povo de Deus se deve alegrar em seguir. Então Paulo envia Timóteo aos crentes para que ele dê testemunho do se carácter e dos seus caminhos e alegrias em Cristo. Testemunhar também que o ensinamento de Paulo é consistente e o mesmo que é ouvido por todas as igrejas. Testemunho para que na ausência de Paulo os crentes em Coríntios não se esquecessem do seu verdadeiro carácter em Cristo. Como podemos ver Paulo ensinava os crentes á o seguir contudo a sua advertência não consistia em proveito próprio mas sim por amor e por haver uma positiva razão por de trás.

Paulo deu três razões para a pergunta se, devemos de seguir alguém no caminho da fé ou não. Respostas das quais deverão apagar qualquer oposição e silenciar as más-línguas e da mesma forma respondendo as oposições que os crentes possam afrentar.

 

Em primeiro lugar Paulo seguia Cristo e sendo assim ao seguir Paulo os crentes eram conduzidos a Cristo. Em segundo lugar foi Cristo que enviou Paulo para anunciar Seu Evangelho que por sua vez quando anunciado Deus se agradou em trazer muitas almas do reino das trevas para o reino da luz e vida em Cristo. Em terceiro lugar. A conduta de Paulo não só era exemplar como todos os seus caminhos eram em Cristo sendo assim que o seu ensinamento por todas as igrejas dava testemunho do trabalho de Deus no seu coração e que Deus por ele trabalhava. Mais ainda tudo que Paulo fazia mostrava com que autoridade ele fazia o que fazia desmontando o fruto do seu trabalho para que os seus seguidores pudessem saber que foi Cristo que o havia enviado para os conduzir a Cristo. (Mateus 7:15-20). Como poderiam estes crentes rejeitar em seguir Paulo?

 

Os crentes que seguiam Paulo estavam correctos em o seguir pois ao confiar e seguir eles não seguiam um homem mas sim Cristo que havia enviado Paulo. Por ter acreditado na palavra de Cristo anunciada por esse homem e por terem testemunhado o seu trabalho guardando esse mesmo exemplo, exemplo de um que vivia para servir o seu Senhor e Mestre – Jesus Cristo. “Sede meus imitadores, como também eu de Cristo.” 1Coríntios, “Sede também meus imitadores, irmãos, e tende cuidado, segundo o exemplo que tendes em nós, pelos que assim andam.Filipenses 3:17, (leia 2 Tessalonicenses 3:7-9 e Hebreus 13:7)

 

O que era verdadeiro de Paulo também é verdadeiro de todos aqueles que Deus envia para a Sua igreja para apregoar o Evangelho de Deus a respeito de Seu Filho. Paulo era um apóstolo e único a esse respeito mas de qualquer forma todos aqueles que seguem pelo seu caminho são igualmente enviados por Deus para anunciar o mesmo Evangelho que Paulo anunciou. Eles vêm com a autoridade daquele que os enviou assim declarando o mesmo Evangelho pelo qual mulheres e homens são acordados e virados do caminho das trevas para a luz, resgatados do poder do diabo para o poder de Deus. É pelo anuncia do mesmo Evangelho que Deus Espírito Santo acorda os pecadores mortos em pecados e ofensas para a vida eterna em Cristo Jesus. É pelo anunciar do Evangelho que Cristo trás um povo, a Sua Noiva para o Seu Pai afim de o glorificar. E é o mesmo trabalho de graça que outrora havia trabalhado em Paulo agora também nas vidas e caracteres de todos daqueles que Deus envia com a Sua palavra para que esses homens sejam exemplos para outros seguirem pois eles seguem Cristo. Correctamente Paulo exortava outros para o seguirem e em tal exortação Deus exorta-nos a seguir aqueles homens que envia para a Sua igreja sendo estes ofertas para a edificação do corpo de Cristo no percurso de seguir Cristo.                                 

          

Como se pode ver a pergunta não é tanto se devemos ou não de seguir homens pois a exortação de Paulo claramente nos mostra que devemos mas o que devemos de perguntar e do qual devemos de ter cautela é a quem devemos de seguir. Então quais são os homens que devemos de seguir? Todos aqueles que seguem Cristo. Quando Deus se determina em salvar um povo onde quer que se encontre Deus sempre envia um homem com o Seu Evangelho para que esse homem conduza esse povo a Cristo (Romanos 10;14). Paulo disse, “Sede meus imitadores, como também eu de Cristo“. Nós devemos de seguir aqueles tal como Paulo são enviado por Deus para anunciar o Evangelho a respeito de Cristo, aqueles que proclamam a mesma doutrina apostólica. Aqueles que declaram a mesma verdade a respeito da pessoa e trabalho do Filho eterno de Deus – o Senhor Jesus Cristo. Aqueles que declaram a divindade de Cristo a Sua humanidade a Sua incarnação o Seu baptismo a Sua visitação a Sua morte, ressurreição e ascensão e o Seu presente ministro em gloria. 

 

Aqueles que declararam a ruína do homem pela queda de Adão com a sua total depravação na sua natureza pecadora. Sigam aqueles que declaram a realização e o fim do trabalho de Cristo sobre a cruz. A grátis justificação de pecadores pelo sangue de Cristo a imputação da justiça de Deus pela fé de Jesus Cristo para todos aqueles que acreditam no Seu Nome. A absolvição dos pecados e a reconciliação para com o Pai pela eleição da graça de Deus em Cristo antes das fundações deste mundo. Sigam aqueles que declaram que a salvação pertence ao Senhor e a Ele salvar a quem Lhe agrada que a salvação é na sua totalidade e inteiramente pela graça de Deus do princípio ao fim. Aqueles que afirmam que a salvação é um trabalho de Deus Pai, Deus Filho e Deus Espírito Santo. Sigam aqueles que declaram o Evangelho de Cristo tal como era anunciado no princípio e ainda é e para sempre será – tal como Paulo apregoava e o Espírito de Deus lhe dava força e poder e desta mesma forma o fez pelo continuar dos tempos por todos aqueles que Deus enviou em Nome de Cristo. Estes são os homens que devemos de seguir. Aqueles que seguem Cristo.

 

Em contra partida todos os outros que não declaram estas verdades devem de ser evitados e rejeitados. Nós devemos de testar tudo aquilo que os homens dizem em Nome de Cristo pelas escrituras e se algum for encontrado em falta nós devemos de nos afastar desse homem e nunca mais lhe dar ouvidos. Nós devemos de nos afastar de tais que trazem um outro evangelho e um outro Jesus com um ouro espírito (2 Coríntios 11:4). Nós devemos de nos desviar de quem nega Um Deus em Três Pessoas, Pai Filho e Espírito Santo. De tais que questionam e negam a inspiração e autoridade da palavra de Deus nas escrituras e o seu continuar do testemunho do trabalho de Cristo. De tais que proclamam a salvação por obras ou pela livre vontade do homem. De tais que negam a livre graça soberana de Deus na salvação. De tais que negam os decretos e propósitos eterno de Deus em Cristo, na sua eleição de um povo pelo qual Cristo deu a Sua vida para trazer esse mesmo povo para a vida eterna em Si. Virem-se de todos que negam o verdadeiro trabalho do Espírito Santo na regeneração em acordar pecadores mortos em pecados e ofensas para a vida eterna em Cristo. Rejeitem todos aqueles que anunciam um evangelho com mistura de trabalhos e fé de lei e graça de Sinai e de Sião. De tais que apregoam muito sobre o homem e pouco sobre Cristo que os seus seguidores só podem ser desviados de Cristo e nunca conduzidos a Cristo. Tais homens devem de ser evitados. Mas pela graça de Deus existe homens que por Deus são enviados e esses seguem Cristo e anunciam o Evangelho de Deus a respeito do Seu Filho eterno; estes sim devem de ser seguidos. Pois estes homens procuram que o homens seja nada mais do que homem, que ele seja derrubado, que o seu espírito orgulhoso e pecadores seja conquistado pelo Espírito de Deus. O homem que procura exaltar Cristo e que ele nem seja visto que desaparece pelas traseiras da palavra para que aqueles que o ouvem o Evangelho não o vejam mas sim Cristo.

 

Se nós viramos as nossas costas aqueles que Deus envia com o Seu Evangelho; se nós nos envergonharmos em os seguir ou sentir medo de seguir tal homem que realmente é um seguidor de Cristo é o mesmo que virar a nossas costas a Cristo. Em não receber aqueles que Cristo envia é o mesmo de não receber Cristo. Tratar esses homens com cuidado e respeito é o mesmo que cuidar de Cristo e o respeitar. Se nós negamos esses homens e confiamos somente no nosso entender na nossa única interpretação das escrituras é por ultimo seguir a nós mesmos e ao nosso entender. É correcto ser cauteloso a respeito de homens que afirmam ter o Evangelho de Deus tal como é importante ser cauteloso sobre os ensinamentos que eles pretendem nos transmitir. Não há duvidas que devemos de ser cautelosos e que devemos de medir todas as palavras e mensagens anunciadas pelos homens e compara-las com as escrituras mas nós erraríamos se formos cautelosos em excesso até ao ponto de negar o ensinamento de Cristo pelos homens que envia anunciando a salvação de pecadores pelo eterno Evangelho de Deus a respeito de Seu Filho – Jesus Cristo.

 

Que Deus nos dê graça e discernimento para poder saber e reconhecer e seguir aqueles que Cristo envia como sendo presentes para a Sua igreja pois esses que Deus envia são por sua vez seguidores de Cristo. Para ser um verdadeiro seguidor de Cristo é receber todos aqueles que Ele envia com a Sua palavra sendo estes homens ofertas para a edificação e construção da igreja para a imensa glória de Cristo.

 

Que nós sejamos encontrados como sendo verdadeiros seguidores de Cristo ao seguirmos aqueles que seguem Cristo para que Cristo seja glorificado no Seu Corpo aqui a terra e o Pai por Ele pois “Digno é o Cordeiro, que foi morto, de receber o poder, e riquezas, e sabedoria, e força, e honra, e glória, e ações de graças.” Apocalipse 5:12

 

Amem.

 

E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores, Querendo o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para edificação do corpo de Cristo; Até que todos cheguemos à unidade da fé, e ao conhecimento do Filho de Deus, a homem perfeito, à medida da estatura completa de Cristo, Para que não sejamos mais meninos inconstantes, levados em roda por todo o vento de doutrina, pelo engano dos homens que com astúcia enganam fraudulosamente. Antes, seguindo a verdade em amor, cresçamos em tudo naquele que é a cabeça, Cristo, Do qual todo o corpo, bem ajustado, e ligado pelo auxílio de todas as juntas, segundo a justa operação de cada parte, faz o aumento do corpo, para sua edificação em amor.” Efésios 4:11-16                                                                               

 

Então os justos lhe responderão, dizendo: Senhor, quando te vimos com fome, e te demos de comer? ou com sede, e te demos de beber? E quando te vimos estrangeiro, e te hospedamos? ou nu, e te vestimos? E quando te vimos enfermo, ou na prisão, e fomos ver-te? E, respondendo o Rei, lhes dirá: Em verdade vos digo que quando o fizestes a um destes meus pequeninos irmãos, a mim o fizestes.” Mateus 25:37-40

Read Full Post »

Trabalho de Ian Potts

Dezembro 10,2007

 

De modo que, tendo diferentes dons, segundo a graça que nos é dada, se é profecia, seja ela segundo a medida da fé…” Romanos 12:6

 

Ora, há diversidade de dons, mas o Espírito é o mesmo.

E há diversidade de ministérios, mas o Senhor é o mesmo.

E há diversidade de operações, mas é o mesmo Deus que opera tudo em todos.” 1Corintios 12:4-6

 

 

Introdução

 

No capítulo 12 de Romanos é nos considerados a caminhada dos crentes como membros de um só corpo em Cristo que andam neste mundo em fé e pela fé servindo uns aos outros na assembleia dos santos. Paulo encoraja-os afim de andarem na vontade de Deus, em humildade servindo uns aos outros e preferindo o próximo acima de si mesmo, (Romanos 12:10).

 

No verso 6 Paulo faz referencia aos vários dons recebidos de Deus para o Seu povo pela Sua graça em Cristo para que eles sendo diferentes membros mas de um só corpo possam servir uns aos outros e a Deus.

 

Noutra parte do Novo Testamento particularmente na primeira carta para Coríntios, Paulo escreve sobre os vários dons do Espírito que são oferecidos aos crentes e praticados nas várias igrejas. Alguns destes dons sendo miraculosos e outros nem tanto. Mas na carta para Romanos 12 a concentração é nos dons de profecia, ensino, exortativo, regra e misericórdia. Em contra partida na carta para Coríntios encontramos dons um pouco mais miraculosos tal como os de línguas e de curas. Podendo também ler na mesma carta os vários milagres efectuados pelos apóstolos durante o período da igreja do Novo Testamento.

 

Não há falta nos dias de hoje quem não se fascine com milagres até muitos que pertencem ao que se chama Reino Cristão. Estes são levados por estes acontecimentos de sinais, milagres e dons do Espírito desejando que o mesmo que aconteceu no princípio da Igreja aconteça novamente nos dias de hoje. Muitos dizem que só quando existe acontecimentos como os referidos é que nós podemos afirmar que o Espírito de Deus opera nas assembleias. Eles dizem que quando existe estas manifestações do Espírito que autentifica os seus ministérios e igrejas assim demonstrando o poder de Deus em obra.

Mas a pergunta é a seguinte: será esta afirmação por parte de alguns ou de algumas dominações cristas é verdadeira? Será verdade que só quando vemos milagres e sinais é que podemos afirmar que o Espírito trabalha?

 

Estas são perguntas de grande importância para qualquer crente em Deus.

Será verdade que estes sinais e milagres continuam nos dias de hoje como aconteceu no tempo dos apóstolos?

Será que os dons do Espírito continuam a ser entregues e exercitados nos dias de hoje ou será que terminou quando os apóstolos terminaram o seu tempo neste mundo e a igreja do novo testamento quando formada e assim pondo um fim aos dons? Talvez alguns dons vieram ao fim mas outros continuaram e se assim é quais são os dons que tiveram continuação até os dias de hoje? Pergunta. Qual é a sua forma e como é que se revelam estes dons?

 

A verdade seja dita, não importa aquilo que os homens dizem mas sim aquilo que a palavra de Deus diz. Se assim é então vejamos o que a palavra de Deus diz.

 

O Novo Testamento descreve vários dons do Espírito tais como o de profecia, línguas, curas e outros, (leia 1Corintios 12). Comecemos por considerar os dons do Espírito na sua continuação até os dias de hoje em primeiro lugar o dom profético. Em considerar particularmente este dom eu acredito que podemos extrair algumas conclusões correspondentes aos outros dons do Espírito que observamos nos dias de hoje.

 

 

A Inauguração da Nação de Israel e a Inauguração da Igreja do Novo Testamento       

 

Sinais e maravilhas foram usados por Deus quando Israel foi resgatada das garras e correntes de Egipto. Após esta maravilha e afim de marcar a sua libertação e a subsequente admissão a lei um período de 40 anos até que Israel passou o rio Jordão para a terra prometida, eles foram guiados por um pilar de nuvem e de fogo. Um período em que viram maravilhas tais como brotar da água da Rocha, alimentados pelo maná do céu e outros. Sinais que terminaram assim que o povo de Israel atravessou o rio Jordão durante muitos séculos até o tempo de Cristo. (estes sinais e maravilhas podem ser observado no livro de Moisés e referido noutras partes da Bíblia como referencias históricas desses tempos. Josué 5:6-12 informa do encerrar do maná. Leia Neemias 9:9-21, Salmos 78:1-32 99:6-7, 105:23-45, Isaías 48:21 e João 6).

Da mesma forma a inauguração do Novo Testamento foi demonstrada na beleza de muitos sinais e maravilhas e milagres. Dons especiais do Espírito marcando um tempo especial da historia da igreja até que as escrituras chegassem ou fim da sua produção e assim derrubar a necessidade de sinais e maravilhas. Sendo similar com o mesmo acontecimento do tempo de Moisés.

 

Durante 40 anos o povo de Israel observou sinais tais como o maná vindo do céu do qual foram alimentados enquanto caminhavam no deserto, da mesma forma no N.T Cristo ressuscita dos mortos e acende mais ou menos no ano 30DC. E no ano 70DC o templo de Jerusalém foi destruído um período de 40 anos do qual a igreja do N.T foi formada e o Evangelho anunciado aos gentios. Durante este tempo o povo de Deus foi alimentado pelo ‘Pão do Céu’ através do apregoar dos Apóstolos e por aqueles que na altura profetizavam pelo Espírito declarando a verdade do Evangelho de Cristo da forma como lhes era colocada em memória pelo Espírito até que toda a escritura fosse arranjada em papel, o que foi reunida não após muito tempo depois.

 

Profecia preferida acima de línguas     

 

Paulo na primeira carta para Coríntios discute os dons do Espírito e o seu uso para o reunir da igreja. Em verso 14 ele mostra como o dom de profecia é para ser desejado acima do dom de línguas. Porquê?

Porque o dom de línguas era somente beneficente para aqueles que falavam nessa língua guiados pelo Espírito o que para outros que não falavam nem compreendiam a língua só seria beneficiante se houvesse um intérprete para essas línguas pois se assim não fosse seria inútil.

 

“E eu quero que todos vós faleis em línguas, mas muito mais que profetizeis; porque o que profetiza é maior do que o que fala em línguas, a não ser que também interprete para que a igreja receba edificação.”14:4-5

Eu por isto me atrevo a dizer tal como Paulo “Porque o que fala em língua desconhecida não fala aos homens, senão a Deus; porque ninguém o entende, e em espírito fala mistérios. Mas o que profetiza fala aos homens, para edificação, exortação e consolação.”

 

Se, pois, toda a igreja se congregar num lugar, e todos falarem em línguas, e entrarem indoutos ou infiéis, não dirão porventura que estais loucos?” 14;23

 

Note caro leitor a advertência de Paulo sobre o respeito das línguas aqui neste verso o que me leva a pensar e não só a pensar mas o que é verdade, que o dom das línguas era nada mais que outras línguas estrangeiras aos irmãos que se reuniam na igreja. “E, se alguém falar em língua desconhecida, faça-se isso por dois, ou quando muito três, e por sua vez, e haja intérprete. Mas, se não houver intérprete, esteja calado na igreja, e fale consigo mesmo, e com Deus.14:27-28

Se não houver intérprete esses que falam em línguas estejam calados na igreja.

 

Paulo coloca uma forte ênfase e esta sendo positiva quando se refere ao profetizar muito mais do que dá ao dom de línguas. Porquê?

Porque a profecia é inteligível e beneficiaria á toda assembleia presente na igreja. Pois apresenta a verdade e edifica e por ela os segredos do coração são feitos manifestos a todos que ouvem. “Portanto, os segredos do seu coração ficarão manifestos, e assim, lançando-se sobre o seu rosto, adorará a Deus, publicando que Deus está verdadeiramente entre vós” 14:25.

Tal como o apregoar do Evangelho faz nos dias de hoje.

 

Paulo coloca uma outra advertência. Ele declara que todas as coisas sejam feitas em ordem e aquele que profetiza o deve fazer com dois ou três “E falem dois ou três profetas, e os outros julguem.” (14:29) e que o Espírito dos profetas esteja sujeito aos outros profetas (14:32).

 

Porquê?

Porque na altura da igreja de Coríntios sendo esta uma das recentes igrejas do N.T as escrituras ainda não existiam na sua forma completa como temos nos dias de hoje. Certamente esses crentes teriam muito pouco onde poder certificar do que ouviam seria a palavra do Senhor e não fábulas de homens. Talvez poderiam ter até uma ou duas cartas do Apóstolos mas muito pouco mais do que isso. Eles não tinham as escrituras na sua forma completa e o pouco que tinham não teria na posse de todos os crentes. Não podendo apregoar com o uso da Bíblia Sagrada tiveram então de fazer uso da suas memorias relembrando o que ouviram pelos Apóstolos a respeito da verdade do Evangelho da forma como eram levados pelo Espírito. E é isto que é profetizar. E para assegurar os crentes do que ouviam na igreja era realmente o Evangelho, do Espírito e não erro, Paulo adverte todos aqueles que profetizam a o fazer em pares ou em três, afim de que cada um pudesse certificar-se da verdade daquilo que o profeta havia dito. Aliais mais ainda tudo que fosse dito por um teria de ser sujeito e certificado por outros profetas. Profetas dessa mesma igreja e também certificar se o que tinha sido profetizado correspondia com o que tinha sido escrito pelos profetas do A.T e com o pouco que tinham das escrituras do N.T. (cartas dos apóstolos)

 

Então profetizar pelo Espírito era realmente o apregoar do Evangelho nos dias em que não havia as escrituras facilmente acessível a todos (alguns pensam que o dom de profetizar têm algo haver com o ver de certos eventos futuros. Certamente existiu esse tipo de profecia porque a encontramos nas escrituras mas o dom mencionado na carta de Coríntios 14 está relacionado com o ensinamento da verdade. Isto pode ser provado pelo facto que este mesmo dom de profecia se encontra mencionado na carta para a igreja de Efésios 4:11-15 juntamente com outras instruções para pastores e professores. Todos estes ofícios foram dados para a edificação do corpo de Cristo tal como o dom de profecia referente na carta para Coríntios 14:3Mas o que profetiza fala aos homens, para edificação, exortação e consolação.”).

 

Por haver uma falta de escrituras na altura esses que profetizavam o faziam dirigidos pelo Espírito para trazer á luz a verdade que guardavam em memória que outrora ouviram dos Apóstolos mas também necessitando a colaboração de outros no que profetizavam como sendo verdadeiro ao Evangelho Apostólico, fiel á verdade que receberam dos Apóstolos e lhes fora ensinado. E fiel as escritura que possuíam. E quando o N.T foi completado na sua forma escrita tudo que haviam dito poderia ser aprovado como verdadeiro, fiel a palavra do Senhor.

 

Desde do estabelecimento da nova igreja que nós temos as escrituras completas. Estas são agora acessíveis nas igrejas. A profecia pelo termo encontrado na carta para Coríntios 14 continua como o apregoar sem que haja a necessidade de ter dois ou três apregoando ao mesmo tempo para que possam colaborar no que é dito. Pois podemos agora comparar o que é ensinado pelo pregador (pastor, professor) com o que está na Bíblia certificando se esse que profetiza o faz pelo Espírito de Deus ou pelo espírito de erro. Qualquer coisa que seja anunciada pelo Espírito terá pleno acordo com o que está na Bíblia e não será uma nova revelação fora do seu contexto nem do que lá já se encontra.

 

Agora que as escrituras se encontram completas já não há necessidade de dons especiais do Espírito, tais como o de línguas e o de profetizar pelo Espírito (sem as escrituras), deixou de existir. Agora profetizar continua sim mas na forma de apregoar o Evangelho pelo Espírito pela palavra de Deus. O Espírito sempre que profetiza o faz de acordo com a palavra, tal como outrora antes de ter sido gravada na sua forma escrita o fez em pleno acordo e agora apesar nos dias de hoje a palavra ter sido gravada na Bíblia Ele ainda se manifesta fiel e de acordo pois Deus nunca muda o mesmo ontem, hoje e amanha. Tal como diz em João 14:26

Mas aquele Consolador, o Espírito Santo, que o Pai enviará em meu nome, esse vos ensinará todas as coisas, e vos fará lembrar de tudo quanto vos tenho dito.”

 

E em João 15:26.Mas, quando vier o Consolador, que eu da parte do Pai vos hei de enviar, aquele Espírito de verdade, que procede do Pai, ele testificará de mim.”

 

Podemos observar através destes dois versos que aquilo que o Espírito trás á lembrança é as coisas que dão testemunho e credibilidade a Cristo. Testemunho este que nos dias de hoje está de acordo com as escrituras e nelas se encontra – não havendo nenhuma outra revelação a respeito de Cristo e da Sua doutrina que se encontre fora dessas mesmas escrituras.

 

Com a inauguração da igreja do N.T imensos milagres ocorreram em parte similar com os do A.T. estes milagres eram evidentes tais como os de curas efectuados pelos Apóstolos mostrando a presença do Senhor na igreja de uma forma poderosa. Estas revelações na sua forma exterior mostrava o poder de Deus no desenvolver e estabelecimento da igreja do N.T. Eis que os dons do Espírito tais como os de profecia e línguas nessa época eram usados a fim de guiar e edificar o povo de Deus.

 

Assim que a igreja do N.T foi estabelecida e as escrituras vieram á sua realização a necessidade de haver sinais e maravilhas do Espírito na sua forma exterior chegou ao fim, contudo Deus continuou a trabalhar desde desse tempo mas a partir desse ponto trabalha numa forma interior através do apregoar do Evangelho. Resultado desse trabalho é o Nascer de Novo pelo poder do Espírito, Baptismo Espiritual. Este trabalho de Deus não deixa de ser menos miraculoso como os outros que atrás referi. Continua a ser um trabalho mas agora um que por natureza é interior – no coração e na consciência do crente em Deus em Cristo. O apregoar do Evangelho de Cristo pela operação do Espírito resulta no ressuscitar de homens mortos em ofensas e pecados para a vida em Cristo dando-lhe um coração e um espírito novo e fé para que ele possa acreditar e descansar no trabalho realizado por Cristo pela Sua morte na cruz para salvar pecadores. Este trabalho do Espírito é poderoso e miraculoso na sua forma interior – dentro do homem, no seu coração e não numa forma exterior.

 

Contudo o que mais fascina ao homem carnal é os milagres exteriores. As pessoas gostam de ver milagres na sua forma carnal e com o seu entender humanístico porque estes não requerem fé. Se são exteriores eles demonstram algo sobrenatural e assim providenciando a prova que o homem carnal gosta e requer afim de poder acreditar em algo pois nada mais o poderá satisfazer porque ele está vazio interiormente. Sem fé não consegue acreditar em milagres que se manifestam interiormente nem muito menos coisas do Espírito pois as coisas do Espírito de Deus são entendidas espiritualmente. Mas os Cristãos caminham neste mundo pela fé e não pelas provas. A fé acredita em coisas que não podem ser observadas com os olhos carnais, (Hebreus 11).

 

Por toda a história Deus usou milagres que se pode observar na sua forma exterior pois é dessa forma que Deus indica um grandioso evento (o começo de um trabalho) prestes a ocorrer. Deus o faz com grandes milagres e sinais, sinais tais como a da libertação do povo de Israel do domínio do Egipto, e novamente quando se deu ao começo da igreja do N.T pela chegada do Messias e pouco depois todas as obras efectuadas pelo Espírito na altura dos Apóstolos. Isto ocorreu para demonstrar ao mundo incluindo os ateus que Deus foi o autor e realizador desse sinal ou milagre e que Deus se encontra em obra (exemplo. Cristo veio á semelhança da carne). E assim que esse trabalho fosse feito manifesto e o testemunho gravado nas escrituras acorre-se uma continuação desse mesmo trabalho de Deus mas passa a ser através do Seu Espírito numa forma mais reservada e escondida, no reino do coração dos homens.

 

Guia Profético em Contraste com o Ensinamento do Espírito e Dom Profético                                                                                                       

 

Eu realcei a natureza do dom profético que se encontra na carta de Coríntios verso 14 como sendo um dom de ensinamento. Alguns podem questionar se todo o dom profético se encontra originado pelo dom do ensinamento; referindo-se aos vários exemplos de profecia encontrados no N.T. exemplos tais como os que se encontram no livro dos Atos dos Apóstolos dos quais pertence a uma natureza profética – adivinhar certos eventos. Por exemplo: Atos 21:10-11 podem ler sobre a advertência do profeta Ágabo quando ele avisou Paulo sobre a sua intenção de ir a Jerusalém porque lá os judeus o iriam perseguir.

 

É verdade que profecias como esta se encontravam na igreja do N.T mas de qualquer forma este tipo de profecia não é o que Paulo descreveu na carta para Coríntios capítulo 14 como sendo relacionada ao dom profético do Espírito. O contexto é diferente e também não se assemelha ao padrão marcado por Paulo no capítulo 14.

 

Por declarar que o dom profético encontrado na carta para Coríntios descreve-se como sendo um dom de ensinamento por natureza eu não afirmo que este era o único tipo e forma de profecia encontrado no tempo dos apóstolos. É verdade que existia várias feições de profecia no N.T que são evidentes na sua natureza profética. Durante os recentes dias da nova igreja existia vários profetas que profetizavam pelo Espírito numa forma futura como também existia profetas que profetizavam na assembleia dos santos pelo Espírito afim de ensinar o Evangelho de Cristo. Duas formas de profetizar ambas pelo Espírito que ocorreram nesses tempos.

 

Muitos dos exemplos que nós encontramos no profetizar de eventos futuros no livro de Atos são simples eventos por si, eventos que demonstram como o Senhor guia o seu povo neste mundo; através de sonhos ou pelo Espírito. Exemplo, quando o Espírito do Senhor guiou Filipe para se aproximar da carroça do ‘etíope eunuco, mordomo-mor de Candace, rainha dos etíopes, o qual era superintendente de todos os seus tesouros,’que ‘e tinha ido a Jerusalém para adoração,’. Como vemos este tipo de condução do Espírito não se assemelha a uma profecia futura mas sim presente para o ensinamento dessa mesma alma que procurava encontrar o Senhor. O eunuco ‘tinha ido a Jerusalém para adoração,’ no seu regresso encontrava-se assentado no seu carro lendo o profeta Isaías. ‘E, correndo Filipe, ouviu que lia o profeta Isaías, e disse: Entendes tu o que lês? E ele disse: Como poderei entender, se alguém não me ensinar? E rogou a Filipe que subisse e com ele se assentasse.’

 

Da mesma forma quando o anjo apareceu a ‘Cornélio, centurião da coorte chamada italiana’ ou quando o Senhor falou a Paulo por meio de visões. Outro exemplo específico; profetas que tenham recebido uma mensagem do Senhor, “E, levantando-se um deles, por nome Ágabo, dava a entender pelo Espírito, que haveria uma grande fome em todo o mundo, e isso aconteceu no tempo de Cláudio César.” (Atos 11:28). Mas vejamos algo importante nos dias de hoje que me levam a deduzir que muitos se esqueceram ou simplesmente fecham os olhos á verdade.

 

Note que nenhum dos exemplos referidos foram retirados enquanto a igreja se reunia para o serviço ao Senhor nem quando dois ou três profetas se levantavam nessa mesma assembleia na duração do culto para profetizar para o avanço do ensinamento e edificação do povo de Deus. Pode ser argumentado que quando Ágabo declarou a sua mensagem (profecia) sobre a fome que haveria de vir esta foi entregue enquanto os crentes se reuniam em culto, todavia este argumento não só se encontra fraco como o contexto em si e também não se encontra claro sendo assim uma pobre base de argumento por parte de muitos.

 

Podemos então deduzir que nenhuns dos exemplos referidos no N.T acerca de profecias futuras se assemelham ao que Paulo descreveu na primeira carta para Coríntios 14 quando ele dá coragem para que seja feito sempre quando os crentes se reúnem em culto.

Aquilo que Paulo adverte aos Coríntios especialmente nos capítulos 10-15 é sobre o Corpo de Cristo e como se deve construir para a sua edificação. Não é coincidência que o assunto sobre os dons do Espírito tais como os de línguas e de profecia são tratados no epistolo que foi escrito por Paulo para a igreja que mais se tinha pervertido na sua forma carnal onde fornicação e outros pecados ocorriam sem qualquer supervisão, onde a Seia do Senhor era abusada etc. Esta era uma igreja obcecada com coisas carnais e por isso deslumbrada com coisas espirituais que se mostravam numa forma exterior e em manifestações sobrenaturais. Os coríntios pensavam que a maior elevação espiritual que alguma vez poderiam atingir seria em falar em línguas ou em dar revelações proféticas. Mas Paulo trata esta paixão dos coríntios sobre coisas exteriores não de uma forma regida proibindo o seu uso mas sim numa forma gentil conduzindo a igreja aquilo que é melhor e necessário, aquilo que edifica e constrói a igreja. E isso é o Evangelho de Cristo. Podemos observar uma progressão desde capítulo 12 onde o Corpo e os seus membros são realçados através de uma ênfase no amor no capítulo 13 (o dom quando prevalente ultrapassa todas as falhas na igreja), através da profecia ser mais preferida do que línguas, capitulo14, (Porquê? Porque através desse dom a igreja é edificada ganhando coragem e é confortada. Sendo construída no Evangelho de Cristo – aprendendo pelo Evangelho) através do capítulo 15 onde Paulo novamente discute o Evangelho e como a igreja deve “Pelo qual também sois salvos se o retiverdes tal como vo-lo tenho anunciado; se não é que crestes em vão.” 15:2. Isto leva-nos a verdade sobre a ressurreição dos mortos.

                              

O ponto central é que o capítulo 15 coloca uma ênfase sobre aquilo que Paulo já tinha interiormente ensinado aos coríntios e que novamente o afirma. O evangelho de Cristo

Aquilo que declara que Cristo é o poder de Deus – “Mas para os que são chamados, tanto judeus como gregos, lhes pregamos a Cristo, poder de Deus, e sabedoria de Deus.” Coríntios 1:24. É esta verdade que deve permanecer na mente dos coríntios e de todos os crentes em Cristo, tal como se declara em 14:36 ‘a palavra de Deus veio aos coríntios através do anunciar do Evangelho de Cristo por Paulo’ “Porventura saiu dentre vós a palavra de Deus? Ou veio ela somente para vós?“. O que eles deviam de profetizar nas suas assembleias era as verdades que se encontravam nas suas memórias por aquilo que Paulo lhes ensinou anteriormente, depois o Espírito trás novamente há memória dos profetas essas mesmas verdades que por sua vez eles devem de falar conforme o Espírito os guia nas assembleias; por dois ou três. Paulo ‘recebeu’ estas verdades de Deus e as entregou a igreja em Coríntio (15:3). Da mesma forma há-de os profetas de falar essas coisas que lhes foram reveladas e recebidas (14:3) pelo Espírito. Sendo estas verdades que Paulo outrora recebera do Espírito e anunciou as igrejas.  

 

Que verdades são estas? 1Coríntios 15:3-11 diz nos…

Porque primeiramente vos entreguei o que também recebi: que Cristo morreu por nossos pecados, segundo as Escrituras, E que foi sepultado, e que ressuscitou ao terceiro dia, segundo as Escrituras.

 

E que foi visto por Cefas, e depois pelos doze.

Depois foi visto, uma vez, por mais de quinhentos irmãos, dos quais vive ainda a maior parte, mas alguns já dormem também.

Depois foi visto por Tiago, depois por todos os apóstolos.

E por derradeiro de todos me apareceu também a mim, como a um abortivo. Porque eu sou o menor dos apóstolos, que não sou digno de ser chamado apóstolo, pois que persegui a igreja de Deus.

Mas pela graça de Deus sou o que sou; e a sua graça para comigo não foi vã, antes trabalhei muito mais do que todos eles; todavia não eu, mas a graça de Deus, que está comigo.

 

Então, ou seja eu ou sejam eles, assim pregamos e assim haveis crido

E assim somos levados a fazer um circulo completo até chegar ao principio do epistolo capitulo 1:4 “Sempre dou graças ao meu Deus por vós pela graça de Deus que vos foi dada em Jesus Cristo.”

 

Mas nós pregamos a Cristo crucificado, que é escândalo para os judeus, e loucura para os gregos.” 1:23.

 

“Porque nada me propus saber entre vós, senão a Jesus Cristo, e este crucificado.” 2:2.

 

O ponto principal de toda a carta é Cristo Crucificado. O Evangelho. 

Isto é o que a profecia do capítulo 14 se refere – o Evangelho de Cristo. É por isso que Paulo oferece coragem ao seu uso. E neste sentido ainda prevalece até mesmo nos dias de hoje porque anunciamos e ensinamos o mesmo Evangelho das escrituras pelo Espírito.

 

Tal como foi mencionado anteriormente, a profecia mostrando-se na sua forma sobrenatural juntamente com sinais e maravilhas foi requerida no tempo do inicio da Nova Igreja por duas razoes.

 

  • 1. Para demonstrar em poder a formação da Igreja, que Cristo veio, morreu e ressuscitou novamente e que o Espírito foi dado ao povo de Deus na igreja. Debaixo do ensinamento e doutrina dos Apóstolos a Igreja de Cristo foi estabelecida testemunhada por sinais e maravilhas na sua forma exterior.

 

  • 2. Profecia pelo Espírito foi necessária pela falta da escrituras na sua forma completa em ordem de poder construir a igreja nas doutrinas de Cristo. Após a completação das escrituras ‘profecia’ continuou como um normal anunciar do Evangelho e ensinamento pelas escrituras sendo estas abertas pelo Espírito. Tal profecia e ensinamento persistem a ser e sempre serão um dom do Espírito de Deus que assim assegura que o Evangelho não venha “somente em palavras, mas também em poder, e no Espírito Santo, e em muita certeza” (1Tessalonicenses 1:5), sendo esta profecia inteiramente baseada nas escrituras e não em revelações exteriores.

 

Assim após o estabelecimento da Nova Igreja e as escrituras se encontrarem na sua forma completa a necessidade do contacto directo e de dons sobrenaturais do Espírito, (sinais e maravilhas) terminaram tal como no tempo de Moisés. O Espírito continuou a trabalhar mas numa forma mais reservada e interior, nos reinos dos corações dos homens. Nós ainda temos o anunciar do Evangelho de Cristo na igreja mas não profecia pelo Espírito. Continuamos a ser guiados por Deus, pelo Espírito nos seus vários sentidos mas não da mesma forma directa sobrenatural de outrora como visto no principio da Nova Igreja do N.T. (pelos menos isto não é norma. Pode ter sido no passado mas agora já não é necessário tendo Deus como nosso guia, guiando o Seu povo a verdade. Em primeiro lugar pela Sua Palavra e segundo pelo anunciar, apregoar da Sua palavra pelo Seu Espírito).

 

Outros Dons do Espírito               

 

Claro que existem vários outros dons do Espírito, profecia é simplesmente um de muitos. Exemplos deste facto que podemos ler em 1Cor’intios 12:4-12 …

Ora, há diversidade de dons, mas o Espírito é o mesmo. E há diversidade de ministérios, mas o Senhor é o mesmo. E há diversidade de operações, mas é o mesmo Deus que opera tudo em todos. Mas a manifestação do Espírito é dada a cada um, para o que for útil. Porque a um pelo Espírito é dada a palavra da sabedoria; e a outro, pelo mesmo Espírito, a palavra da ciência; E a outro, pelo mesmo Espírito, a fé; e a outro, pelo mesmo Espírito, os dons de curar; E a outro a operação de maravilhas; e a outro a profecia; e a outro o dom de discernir os espíritos; e a outro a variedade de línguas; e a outro a interpretação das línguas. Mas um só e o mesmo Espírito opera todas estas coisas, repartindo particularmente a cada um como quer. Porque, assim como o corpo é um, e tem muitos membros, e todos os membros, sendo muitos, são um só corpo, assim é Cristo também.”

 

Ultimamente todos estes dons do Espírito têm um só propósito – a edificação do Corpo de Cristo. Existe um Corpo com muitos membros e muitos diversos dons oferecidos a esses membros mas todos os dons são dados que o corpo seja edificado, fortalecido, erguido e elevado na sabedoria de Deus. É nesta luz que devemos considerar esses dons e a forma como eles se manifestam e são usados nos dias de hoje. São os dons que nós vemos nos dias de hoje nas igrejas usados para a edificação do corpo através da verdade, pela proclamação da palavra pelo alimentar desse corpo em Cristo ou será que conduz e vira as atenções para com o homem invés de Cristo e excita a carne invés de apontar os olhares para o Salvador?

 

Eu acredito que qualquer continuação de profecias nos dias de hoje terá de se encontrar em acordo com a palavra escrita de Deus do qual se encontra completa pois não existe nenhuma outra nova revelação que se encontre fora das escrituras. Isto não significa que temos de negar a continuação dos dons do Espírito – de forma alguma – mas ao mesmo tempo temos que compreender e entender que as manifestações dos dons na sua forma exterior serviram a sua causa e propósito durante as primeiras épocas da Nova Igreja. Então se assim é os mesmos princípios que julgamos o dom profético podemos julgar todos os outros dons do Espírito, tais como os de curas. Existe um dom de cura que continua a trabalhar nos dias de hoje mas este trabalha através do Espírito sobre os corações dos homens na sua forma interior através do ouvir do Evangelho que caracteriza o trabalho do Espírito.

 

Eu acredito que o dom de cura que vemos nos dias de hoje é aquele que edifica o corpo de Cristo – a igreja. Este é um dom de cura que vem através do ouvir do anunciar do Evangelho de Cristo e Ele Crucificado providenciando a verdadeira cura nas almas do povo de Deus que os traz para a paz para com Deus. Cura que lava o povo de Deus dos pecados trazendo-os unidos na fé. Quantas vezes vêem o contrário de união? Imensas feridas e mágoas criando separação entre irmãos? O quanto é maravilhoso saber que Deus nos envia este dom de cura afim de os curar das feridas e fortalecer o Corpo de Cristo no meio da batalha espiritual que o seu povo se encontra com os inimigos da fé.

 

Será que nos é garantida a palavra do Espírito nos dias de hoje? Claro que sim. A palavra de sabedoria? Sim. Fé? Também. Dons de cura? Claro mas na sua forma interior, espiritual por natureza para a edificação e cura do Corpo de Cristo. Milagres? Novamente afirmo que sim, em termo espiritual e interior pois eu digo; que grande milagre é a conversão de um pecador para a vida em Cristo pelo poder da palavra do Senhor, pelo poder do Evangelho. Este sim é um milagre e todos aqueles que são enviados para apregoar o Evangelho podem fazer mais nada do que olhar e maravilhar-se pela demonstração do poder de Deus virando homens do caminho das trevas para Cristo o caminho da luz e vida eterna. E outro dom tal como o de discernir os espíritos? Sim este também contínua nos dias de hoje pois nós devemos de testar os espíritos e como agora nós temos as escrituras completas, nós devemos sempre de comparar aquilo que os homens dizem com aquilo que está gravado nas Escrituras Sagradas. E o dom de línguas e de interpretação? Tal como anteriormente foi mencionado por Paulo. Paulo dá mais ânimo a profecias do que ao uso de línguas e mais ainda adverte que ambos os dons são um meio de realçar a verdade do Evangelho para a edificação do Corpo de Cristo. Isto continua nos dias de hoje mas no anunciar e apregoar da palavra que se encontra gravada nas Escrituras Sagradas. E sobre milagres na sua forma visível e exterior? Tal como já referi anteriormente. Sinais e maravilhas fizeram parte da inauguração da igreja do Novo Testamento. A igreja tendo sido estabelecida sobre o ministro Apostólicos foi testemunhada pelas demonstrações do poder de Deus mas agora já não existe a necessidade de se mostrar o trabalho do Espírito com demonstrações exteriores. O trabalho do Espírito é de dar testemunho de Cristo numa forma interior, no coração e este trabalho contínuo até nos dias de hoje sobre o anunciar do Evangelho. Um ministério não menos miraculoso do que os dos tempos dos apóstolos mas um que se preocupa em revelar a verdade de Cristo aos olhos da fé invés de se revelar aos olhos carnais.

 

Conclusões

 

Em sumário se é que se pode mostrar que o maná oferecido ao povo de Israel continua a ser oferecido desde do tempo de Moisés até a segunda vim de Cristo ou que Israel continua ser guiada pelo pilar de nuvem de dia e de fogo pela noite, então o procedente para a continuação de milagres de uma forma exterior tais como os dons de profecia (por exemplo da maneira que o espírito inspira revelações sem a bíblia) seriam encontrado. Mas eu não acredito que o precedente possa ser revelado nem provado. Por esta razão se conclui que os dons exprimidos na sua forma exterior, sinais e maravilhas terminaram assim que a Nova Igreja foi colocada sobre os Apóstolos sendo este facto como uma figura da Antiga Israel. Me parece certo em considerar que o trazer da Igreja do N.T sobre os Apóstolos foi de grande importância. E ainda, se uma pesquisa fosse feita á história da igreja no tempo dos Apóstolos até ao presente se poderia demonstrar que o que tudo que afirmo neste artigo é verdadeiro.

 

             Que o Senhor se agrade em nos dar o dom de discernir os espíritos nestes dias de muita confusão para que possamos saber o que é realmente do Espírito de Deus e o que é do espírito de erro. Que nós possamos reconhecer que existes diversidades nos dons do Espírito e diferentes administrações (por exemplo ver e discernir os tempos de hoje dos tempos Apostólicos) mas de qualquer forma “o Senhor é o mesmo” (1Coríntios 12:-6)

 

Ora, há diversidade de dons, mas o Espírito é o mesmo. E há diversidade de ministérios, mas o Senhor é o mesmo. E há diversidade de operações, mas é o mesmo Deus que opera tudo em todos

 

Que Deus se agrade em nos dar fé para seguirmos o Senhor Jesus Cristo neste vale de escuridão neste deserto em que o inimigo (o espírito de erro) nos atormenta por todas as frontes. Que Deus nos de força e coragem para seguir Cristo da forma como Ele é revelado pelo Espírito de Deus através do Evangelho de Cristo e da forma como Cristo se encontra nas Sagradas Escrituras. E que Deus pela Sua força e sabedoria nos leve a procurar aquela verdadeira realidade do trabalho interior do Espírito nos nossos corações e nos revele o contraste com a falsa religião exterior que parece ser tão popular nos nossos dias. Que por sua vez agrada a carne pelo fascínio usual do sobrenatural, superficial e espectacular. Que nós sejamos encontrados entre aqueles que andam pela mesma fé de Cristo e não por provas, tal como Abraão que olhava para uma terra que lhe tinha sido prometida por Deus uma terra não deste mundo carnal e maligno mas sim uma terra no Reino do Céus e não um país ou coisas terrestres mas tal como Abraão que Deus nos faça andar neste mundo como peregrinos desconhecidos e desligados deste mundo maligno. Que Deus nos dê força para correr esta corrida que se encontra a nossa frente sempre olhando para Cristo o autor e realizador da nossa fé. Que nós sejamos encontrados entre aqueles que encontraram e conseguem distinguir que o poder de Deus e que o Seu poder não repousa em milagres exteriores mas sim no Evangelho de Cristo (Romanos 1:16). E que toda a gloria seja dada ou Senhor Jesus Cristo do qual o Espírito foi enviado para testemunhar e honrar através do anunciar do Evangelho de Cristo, que foi e é o poder de Deus para a salvação.

 

Amem.

Read Full Post »